sábado, 13 de agosto de 2011

"Não importa se eu não sou o que você quer"*

Hoje faz dois anos que descobri que estava grávida do Francisco!  Guardei o segredo por 4 dias, mas para dar a notícia do jeito que eu queria!  Foi gostoso guardar a novidade só para mim.  Eu precisava olhar o teste toda hora, acho que para ter certeza! E então, depois da felicidade minha, do Rafa e das crianças veio o tormento.
O tempo passa mas minha dor continua.  Minha gravidez escondida, como uma adolescente que esconde a barriga da família.  Não me lembro quando foi que contei, mas lembro que foi num impulso.  Sem querer comentei a gravidez em uma lista que participo e em seguida em outra lista tbm.  E de repente eu estava recebendo os parabéns pela nova gestação e isso me inundou de alegria.  Resolvi compartilhar.
Aquele silêncio foi e ainda é o que mais me dói.  Tudo foi dito naquele longo silêncio.  Não precisava de mais nada.  Nada que fosse falado depois poderia amenizar o ensurdecedor som daquele silêncio.  Da imensa felicidade eu despenquei para uma depressão que parecia não ter fim.  Angustia, choro...  Me senti como uma menina de 13 anos grávida e julgada por toda a sociedade. Minha gravidez aos 30 anos.  Minha gravidez invisível, como passei a chamar.  Meu filho crescendo no meu ventre e minha gravidez indesejada (por outras pessoas).  Minha barriga incomodava.  Meu filho incomodava.  Não recebi parabéns.  Ninguém me ligou desejando coisas boas.  Minha barriga crescia e continuava incomodando.  Não parecia um nascimento chegando, parecia uma ferida prestes a supurar.  Um peso que eu carregava resultado da minha inconsequência.  Ali, no meu corpo, para todos verem, estava a marca da minha irresponsabilidade.
Com o tempo, um ou outro coração amoleceu, mas no meu coração o som do silêncio daquele dia ficou.
Tudo mudou.
Francisco nasceu.  Eu pari.  Eu nasci.  E as pessoas esqueceram o silêncio.  Esqueceram o meu pecado.  Mas em mim aquele silêncio que começou no telefone vai ficar pra sempre.  Não se trata de perdoar, de deixar para lá.  Era meu filho chegando.  Era meu coração batendo duas vezes dentro de mim.  Era eu me doando para aquele ser que eu nem conhecia.
Doeu e ainda dói.  E sempre que me lembram que precisamos ser castrados (sim, essa é a palavra que quero usar) eu lembro de toda a dor que senti.  E sempre que olho para meu filho, lembro de tudo que não foi desejado para ele.  E sempre que lembro de tudo isso, vejo como o Francisco é especial.  Tão especial que conseguiu mudar tudo antes mesmo de nascer.  Tão especial que fomos paridos!!!
A aí percebo como tem gente mesquinha de sentimentos.
Mas a vida está aqui.  E hoje faz dois anos que descobri que descobri que essa nova vida estava chegando!
Parabéns Francisco e parabéns para mim!  Que todos possamos ser felizes, ter saúde e uma vida longa!


*Me adora - Pity

3 comentários:

Luly disse...

Como tem gente q pode nao se alegrar com a felicidade dos outros?
esse bebe e lindo demais!
e obviamente Deus tem propositos muito especiais pra vida dele.

beijos.

Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paula disse...

Engraçado que minha cunhada foi concebida quando minha sogra já tinha mais de 35 e era cheia de problemas de saúde, como diabetes, pressão alta... o primeiro filho dela - meu noivo - tinha nascido há 10 anos!

Pois te digo que minha cunhada não tem afeição a maioria das pessoas que não demonstraram alegria com a gravidez dela (da mãe dela) mas é intensamente apegada à tia que vibrou desde o momento que soube da gravidez até o final. Minha sogra que me contou quando perguntei a ela pq a filha parecia não ter aproximação com determinadas tias... Achei isso super intrigante.

Seu filho é lindo! Tou na lista "Parto Nosso" e imagino o qt ele representa pra vc!