quinta-feira, 10 de junho de 2010

Laços e parto

Tá certo que posso causar uma certa polêmica com essa postagem, mas como meu blog não é um bolg muito movimentado (fora as pessoas que vem aqui por causa do post sobre o hospital) resolvi escrever sobre isso mesmo assim.
Tive 3 filhos por cesárea sem nunca ter entrado em TP antes. Com toda certeza eles nasceram antes do que deveriam ter nascido. Seja um dia antes ou duas semanas antes, mas nasceram. De qualquer forma um processo foi interrompido. Amo meus filhos nascidos por cesárea igualmente amo o Francisco. Isso independe o tipo de parto, a escolha que foi feita (se foi eletiva ou necessárea), se queria normal e fizeram cesárea ou se queria cesárea mas nasceu normal: uma mãe vai amar o filho igualmente sempre! Ela nunca vai ser mais ou menos mãe por causa do tipo de parto. O que vai fazer dela uma mãe "mais mãe" é a relação que ela tem com seu filho e só isso!
Mas enfim, voltando ao assunto, eu sempre fui muito mãe dos meus bebês. Na primeira filha eu que fiz questão de fazer TUDO desde o começo: primeiro banho, amamentar, acordar de noite. Isso com 18 anos e sozinha, sem marido ou namorado. Sempre quis escolher o melhor para ela, tentar entender o que ela estava sentindo, tentar fazer o que eu achava certo (mas acabei ouvindo muito palpite - assunto para outra postagem hehehe). No segundo filho eu fiz como com a primeira com a diferença que ouvi menos palpites hehehe. Mas nossa relação foi bem parecida. Com o terceiro filho eu já não ouvi palpite nenhum e nossa relação foi muito parecida com a relação que tive com os outros: compreenção, amor e tentar fazer o melhor por eles.
Aí veio o Francisco: um parto normal, natural, assumindo as escolhas que nós fizemos. Um parto onde eu precisei trabalhar junto com meu filho e ele junto comigo. Ele não foi simplesmente tirado de dentro de mim com hora marcada, sem dar sinais de que queria ou precisava sair. Ele e eu trabalhamos para isso por muitas horas. Durante todo esse trabalho eu fui mudando e ele foi chegando. Eu fui me abrindo para ele e ele foi pedindo passagem para o mundo. Enquanto meu corpo trabalhava para ele sair, o corpinho dele trabalhava para ele chegar a esse mundão!
E ele chegou. Ele se esticou todinho dentro de mim, empurrou junto comigo e nasceu. O processo se completou. Do inicio ao fim. Do dia em que ele se "instalou" aqui dentro, que foi o dia que ele escolheu, ao dia que ele saiu de dentro de mim por sua própria vontade também. Durante esses meses, semanas, que ele ficou dentro de mim nós fomos criando laços invisíveis que não vão se desfazerem nunca. Esses laços também foram criados nas gestações anteriores, mas acredito que faltou algum. Acredito que na hora do parto do Francisco mais um laço se criou, mais uma conexão foi criada, um processo completo que chegou ao fim sozinho, sem a imposição de ninguém.
Repito que em termos de amar um filho, não sinto diferença nenhuma de amor entre eles!!! O que sinto na verde é uma ligação diferente com o Francisco, um conexão além do que eu consigo compreender. Acredito que isso se deve ao processo todo de concepção, gestação e nascimento que se completou. Ao contrário da cesárea eletiva ou da cesárea enganativa, quando esse processo é interrompido antes mesmo de a mulher entrar em trabalho de parto. Posso estar falando bobagem, mas é assim que enxergo tudo isso.
Hoje acredito que a mulher precisa entrar em trabalho de parto, precisa passar pela transformação do seu corpo, precisa sentir que seu bebê quer nascer e que ele está trabalhando para isso. E se por uma acaso ela precisar de uma cesárea realmente necessárea esse processo já se iniciou e esse último laço já foi criado. Hoje lamento profundamente ter marcado o dia do nascimento da Luiza, pois sei que se não o tivesse feito eu não teria tido 3 cesáreas. Porém foi graças a esses três nascimentos que pude compreender, aprender e entender toda a beleza e mágica de parir um filho e tudo o que isso trás depois do parto!
Para finalizar, deixo um exemplo de conectividade com meu pequeno que nunca tive com nenhum outro filho.
Amamentei todos os meus filhos, uns mais, outros menos e dois ainda mamam. Sempre em livre demanda todos. Quem amamenta em livre demanda sabe que não tem hora para dar de mamar. O Francisco nunca teve hora para mamar, nem mesmo criou um intervalo regular para isso. Tem hora que mama agora e pede novamente depois de meia hora. As vezes mama e vai pedir de novo dali 3 horas. Acontece que quando ele quer mamar ele começa a se agitar, depois começa a dar pequenas resmungadinhas reclamando e só se não foi atendido é que ele começa a chorar. Aí vem o inexplicável! Algumas poucas vezes ele fica longe do alcance da minha visão, como por exemplo pela manhã quando ele está no quarto e eu estou preparando o Henrique para ir à escola, ou quando estou lavando louça e ele está dormindo na sala. Nessas poucas vezes em que isso acontece e ele quer mamar eu sinto o meu peito encher de leite e só depois escuto o choro dele! Lembrando que ele só chora depois de se agitar e de resmungar! E lembrando que eu não ouvi ou vi isso! E que ele não tem hora para mamar!
Com meus outros filhos meu leite descia simplesmente com o chorinho de fome ou só no inicio da mamada. Com o Francisco existe algo ligado entre nós, algum laço invisível, uma conexão que eu não sei explicar. Mesmo não estando perto e não ouvindo, eu sei que ele quer mamar! E esse é só um exemplo que eu acho lindo de sentir!


3 comentários:

thais disse...

Tem alguma coisa, mesmo. Bem verdade.

Mas meu leite jorrava quando a Mel chorava, mesmo longe de mim. Apesar de ter nascido de cesárea.

Eu não sei explicar, mas sei que tem uma coisa diferente.

beijo

Nana Barata disse...

Hoje mesmo me aconteceu isso, tirei o dia para passear com o maridão e no fim da tarde senti os peitos encherem e começaram a latejar. Comentei com meu marido que a nossa bebe queria mamar e quando chegamos descobri que na mesma hora que tive dor nas mamas minha bebe tinha chorado com vontade de mamar.
Realmente é poderoso o elo que nos une no parto, é um momento mágico e único em nossas vidas. Nos transforma.

Ministério da saúde disse...

Olá blogueiro,

Dê ao seu filho o que há de melhor. Amamente!

Quando uma mulher fica grávida, ela e todos que estão à sua volta devem se preparar pra oferecer o que há de melhor para o bebê: o leite materno.

O leite materno é o único alimento que o bebê precisa, até os seis meses. Só depois se deve começar a variar a alimentação.

A amamentação pode durar até os dois anos ou mais.



Caso se interesse na divulgação de materiais e informações sobre esse tema, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

Obrigado pela colaboração!

Ministério da Saúde